tênis nas olimpíadas

Tênis nas Olimpíadas, história mundial e brasileira

Um pouco de história, regras de classificação, retrospecto brasileiro, jogadores classificados e curiosidades do tênis nas Olimpíadas

Um pouco de história

A primeira aparição do tênis nas Olimpíadas foi em 1896, em Atenas e permanecendo como um esporte olímpico até 1924. Retomou este posto em 1988, nos jogos olímpicos de Seul.

Até os jogos olímpicos de Sydney, em 2000, a competição não gerava pontos para o ranking da ATP, fazendo com que grandes nomes do esporte não participassem.

Quem pode disputar

As regras de classificação no tênis para as Olimpíadas são um pouco confusas, porém, detalhando de forma organizada faz bastante sentido.

Contando com 172 vagas, a Federação Internacional de Tênis se baseia no ranking mundial, fechado dia 06/06/2016, para definir os participantes. Cada país tem o direito de classificar no máximo 12 tenistas, sendo 6 homens e 6 mulheres. Existe também um critério a ser respeitado em relação a estes 6, podendo ter até 4 atletas de simples e 2 equipes de duplas. Um mesmo jogador pode estar inscrito em simples e duplas.

Simples – 64 tenistas no masculino e 64 no feminino

56 melhores colocados do ranking

6 tenistas de acordo com os seguintes critérios, em ordem de prioridade:

Melhor do país sede

Melhor de cada continente que não tiver um representante, tendo obrigatoriamente que estar entre os 300 primeiros do ranking

Até dois campeões olímpicos ou de Grand Slam, desde que estejam entre os 200 primeiros do ranking

Até dois melhores do ranking para países que não tiverem um representante

Duplas – 32 duplas no masculino e 32 no feminino

10 melhores colocados no ranking de duplas e seus respectivos parceiros

14 melhores duplas considerando a soma do ranking, de simples ou duplas, o que tiver maior pontuação.

8 tenistas de acordo com os seguintes critérios, em ordem de prioridade:

Melhor dupla do país sede, caso ele já não tenha uma dupla classificada, e desde que estejam entre os primeiros 500 do ranking quando somados os pontos da dupla

Melhores duplas do ranking que não tiverem um representante

Duplas mistas – 16 duplas

12 melhores duplas do ranking considerando a soma de seus rankings

4 tenistas de acordo com os seguintes critérios, em ordem de prioridade:

Melhor dupla do país sede, caso ele já não tenha uma dupla classificada, e desde que estejam entre os primeiros 500 do ranking quando somados os pontos da dupla

Melhor dupla de cada continente que não tiver um representante, tendo obrigatoriamente que estar entre os 300 primeiros do ranking

Melhores duplas do ranking que não tiverem um representante

História do tênis brasileiro nas Olimpíadas

O Brasil não tem uma boa retrospectiva quando se fala em tênis nas Olimpíadas. Sem nunca ter conquistado uma medalha, o melhor desempenho na competição foi com Fernando Meligeni, em 1996, nas Olimpíadas de Atlanta, quando chegou à semifinal e terminou em quarto lugar.

Um ponto lamentável, porém, extremamente importante a ressaltar, é que Meligeni, com 25 anos e ainda não consolidado profissionalmente/financeiramente, teve que se virar para pagar sua viagem para as Olimpíadas, um triste exemplo do que é o incentivo ao esporte em nosso país, pelo menos quando o esporte não é futebol masculino.

Tenistas brasileiros nas Olimpíadas de 2016

Com a maior delegação da história do país no esporte, o Brasil conta com os seguintes atletas:

Simples masculino

Thomaz Bellucci

Rogério Dutra Silva

Simples feminino

Teliana Pereira

Duplas masculino

Bruno Soares e Marcelo Melo

André Sá e Thomaz Bellucci

Duplas feminino

Teliana Pereira/Paula Gonçalves

Duplas mistas

Não definidas até o momento

Vale ressaltar que o Brasil possui grandes chances nas duplas. Bruno Soares e Marcelo Melo são dois dos melhores duplistas do mundo e estão acostumados a jogar juntos. Um ponto interessante quando se analisa a chave é que, caso eles passem da primeira rodada, terão um possível encontro na segunda rodada com Novak Djokovic e seu parceiro Nenad Zimonjic. Jogo duro, mas quando o assunto é duplas, os mineiros arrebentam!

Algumas curiosidades

John Pius Boland, um político irlandês, foi aos jogos de Atenas em 1896 com o objetivo de ser apenas um espectador. Chegando na cidade conheceu um jogador grego, Dionysios Kasdaglis, que sugeriu ao mesmo que se inscrevesse no torneio. John acabou se tornando o primeiro medalhista de ouro de tênis nas olimpíadas, vencendo a final por um duplo 6/2, exatamente contra Dionysios.
Em 1900, nas olimpíadas de Paris, dois irmãos ingleses, Laurence e Reginald Doherty, se encontraram na semifinal, onde o irmão mais velho, Reginald, se recusou a entrar em quadra. Laurence terminou a competição com a medalha de ouro, enquanto Reginald levou o bronze.
Em 1988, a lenda do tênis Steffi Graf, com apenas 19 anos, não só venceu as Olimpíadas de Seul, como também venceu todos os 4 Grand Slam no ano. Até hoje, nenhum tenista conseguiu repetir tal desempenho, no feminino ou no masculino.
Tênis nas Olimpíadas, história mundial e brasileira
5 (100%)

Compartilhe este post:

Comentários